top of page
Buscar

Vamos falar sobre compulsão?

A compulsão é caracterizada por ser um processo autossuficiente e fechado, formando um ciclo autoperpetuante onde a energia permanece confinada, incapaz de se dirigir a outros objetos. Pessoas que enfrentam episódios compulsivos muitas vezes têm dificuldades em conter esse comportamento, uma vez que não compreendem plenamente o que está ocorrendo, embora possam reconhecer a ocorrência desses episódios. É crucial salientar que a compulsão não apenas resulta em sofrimento; ela oferece ao sujeito uma recompensa momentânea. Contudo, essa recompensa é seguida de sentimentos de culpa.


O sentimento associado à compulsão torna-se limitado e fixo, impedindo a formação de novas conexões e desdobramentos. A energia gerada ao encapsular o sentimento é tão intensa que aprisiona a pessoa nesse ciclo vicioso. A compulsão estabelece uma relação peculiar entre sujeito e objeto, onde o objeto é consumido e descartado rapidamente, mas desprovido do desejo genuíno. A compulsão não é desejo; é um movimento, uma pulsão.


A compulsão impõe riscos significativos e provoca grande sofrimento para aqueles que vivenciam esse comportamento. A pessoa encontra-se incapaz de controlar ou dominar esse sentimento invasor, resultando em um alto custo energético retirado de outras áreas da vida. Isso perpetua o ciclo vicioso de culpa. A abordagem analítica pode ser altamente benéfica nessas situações, proporcionando ao sujeito um espaço para expressão e, a partir disso, criando novas possibilidades para canalizar essa energia em direção a outros objetos. Isso, por sua vez, pode contribuir para uma vida mais saudável e interessante.

Comments


bottom of page